No RN, crise deixa 227 mil pessoas sem ônibus intermunicipais

22-04-2022 - Transporte Intermunicipal Rodoviária foto/adriano abreu/h/selecionadas

A crise vivida pelo transporte público no País também atinge as cidades do interior do Estado e tem deixado potiguares com dificuldades para se deslocar de municípios mais distantes dos grandes centros. Segundo dados da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Nordeste (Fetronor), 36 cidades não possuem nenhum tipo de transporte, ônibus nem opcionais, deixando a população dependente de outros serviços, como táxis e transportes clandestinos. Ao todo, são 227 mil potiguares impactados com a situação.

Segundo a Fetronor, desde os anos 90, as empresas de ônibus têm enfrentado problemas financeiros que fizeram com que várias linhas intermunicipais fossem encerradas. Foram 89 linhas, de acordo com a entidade, espalhadas em vários municípios do Estado. Aliado a isso, o crescimento dos veículos clandestinos, sem regularização junto ao Departamento de Estradas e Rodagens (DER-RN), inviabiliza as linhas.

“Esses municípios têm clandestinos rodando. As passagens são mais caras, eles não têm regras, não pagam impostos e colocam o preço que querem. Nestes locais onde os ônibus deixaram de rodar, os benefícios que a lei dá, que somos obrigados a dar, meia-passagem, gratuidade do idoso, seguro. É cada um por si, não há carteira assinada, não tem a responsabilidade de andar, só rodam se tiver passageiro”, reclama Eudo Laranjeiras, presidente da Fetronor, que também cobra subsídio do Governo do Estado para custeio do sistema. “O responsável é o Poder Público. Esse modelo em que o custo do sistema quem paga é o passageiro, inclusive as gratuidades e meia-passagem, isso se exauriu”, diz.

Na semana passada, uma das empresas que atendia o transporte na Grande Natal, a Campos, anunciou o encerramento das atividades alegando crise financeira e diminuição da demanda nos últimos anos. Para Eudo Laranjeiras, a situação exemplifica a crise do transporte no País. Antes, em fevereiro, a Parnamirim Field também encerrou as atividades.

“É mais uma que fecha as portas em função da gravidade do processo que se encontra o transporte no RN. Se fala muito em Natal, mas o Estado sofre muito, com condições diferentes: há muita clandestinidade, as empresas que fazem essas linhas do interior têm sofrido muito com isso e o Estado atua muito pouco na fiscalização” cita.

Saiba mais aqui.

Tribuna do Norte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.